Cultura

“OS CADERNOS DE KINDZU”, PEÇA BASEADA EM OBRA DE MIA COUTO, ESTREIA NA CAIXA CULTURAL SÃO PAULO

Cena de Os Cadernos de Kindzu – Foto de Daniel Barboza

A Amok Teatro, fundada em 1998, é uma companhia carioca ganhadora de alguns dos mais importantes prêmios do teatro brasileiro. Agora, em 2018, traz a São Paulo seu mais recente trabalho, Os Cadernos de Kindzu, que estreia na Caixa Cultural São Paulo (Praça da Sé, 111, Centro, São Paulo) dia 1º de fevereiro para curtíssima temporada (até 18 de fevereiro). Com direção de Ana Teixeira e Stephane Brodt, a nova criação do Amok tem como ponto de partida a obra “Terra Sonâmbula” e o universo do escritor moçambicano, Mia Couto. As apresentações têm entrada franca e contam com patrocínio da Caixa Econômica Federal.

 

O espetáculo conta a trajetória de Kindzu, que parte para uma viagem iniciática a fim de fugir das atrocidades de uma guerra civil. Ao encontrar outros fugitivos, refugiados e personagens repletos de humanidade, o jovem tem a oportunidade de vivenciar novas experiências. “Como o menino Muidinga e o velho Tuahir do livro de Mia Couto, mergulhamos nos doze cadernos que compõem o diário de Kindzu e trilhamos a via das narrativas que revelam a dimensão onírica e mítica da existência, como formas de resistir à violência”, declara a diretora Ana Teixeira.

 

Kindzu é parte de uma trajetória iniciada com “Salina (A Última vértebra)”, na qual o grupo investiga as formas narrativas, com inspiração em tradições de matriz africana. Salina e Kindzu trazem duas diferentes visões sobre o continente africano e duas diferentes propostas de linguagem cênica: Enquanto Salina é um mergulho numa África ancestral, Kindzu faz uma incursão numa África pós-colonial.

 

“O texto de Os Cadernos de Kindzu foi abordado com a abertura de quem busca um diálogo criativo e não uma tradução cênica de uma obra literária. Ao longo desse processo, uma nova narrativa foi se construindo. A trajetória de Kindzu e seus companheiros encontraram uma identidade própria na cena, porém não se afastaram da escrita de Mia Couto, da sua riqueza poética e suas imagens, ancoradas na cultura oral africana”, explica Stephane Brodt.

 

Passando do conto à ação e da palavra ao canto, o espetáculo propõe uma incursão na guerra de independência do Moçambique, para explorar a natureza humana e a necessidade de reconstruir a vida e a memória. A música, a literatura e o teatro se fundem numa expressão única e indissociável. Com Os Cadernos de Kindzu, o Amok Teatro aborda o fantástico e explora a língua portuguesa, em diferentes sonoridades.

 

O espetáculo estreou no Rio de Janeiro em 2017 e recebeu 13 indicações aos mais importantes prêmios do teatro: Prêmio Shell de direção (Ana Teixeira e Stephane Brodt), ator (Thiago Catarino), música (Stéphane Brodt e atores), Prêmio Cesgranrio de melhor direção e melhor espetáculo, Prêmio Botequim Cultural de melhor espetáculo, atriz (Graciana Valladares), atriz coadjuvante (Luciana Lopes), autor (Ana Teixeira e Stpehane Brodt pela adaptação do texto) e Prêmio APTR de melhor atriz coadjuvante (Luciana Lopes), de melhor ator coadjuvante (Gustavo Damasceno), melhor ator coadjuvante (Stephane Brodt) e melhor música (Stephane Brodt).