Cultura

Dia da Consciência Negra na CAIXA Cultural São Paulo

CAIXA CULTURAL SÃO PAULO CELEBRA O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA
COM PROGRAMAÇÃO ESPECIAL EM NOVEMBRO

O projeto de arte-educação CAIXA Gente Arteira promove diversas atividades ligadas à cultura afro-brasileira, que
inclui as exposições (Re)conhecendo a Amazônia Negra e Negros Indícios em exibição na Caixa Cultural São Paulo

Em comemoração ao Dia da Consciência Negra, a CAIXA Cultural São Paulo apresenta uma programação especial, na qual as oficinas do programa Gente Arteira abordarão temas relacionados à história e à cultura afro-brasileira. A valorização da contribuição do negro, fundamental para a sociedade brasileira, se fará presente em atividades como palestras, cursos, oficinas de artesanato, de construção de bonecas, de máscaras e instrumentos musicais, dentre outras.

Essas atividades, por sua vez, dialogam com as duas exposições em cartaz no espaço: (Re)conhecendo a Amazônia Negra e Negros Indícios, a primeira da fotógrafa Marcela Bonfim e a segunda que reúne a produção contemporânea de 12 artistas afrodescendentes.

A participação em todos os eventos é gratuita e as vagas são limitadas. Para mais informações sobre datas, horários e forma de inscrição, confira no fim deste release os serviços de cada evento.

Oficina ensinará estudantes a criar as tradicionais bonecas Abayomi, feitas de retalhos de pano
Imagem: Divulgação

Com três sessões nos dias 1°, 22 e 29 de novembro, Contação de histórias em Libras e Português será conduzida por uma monitora, cuja língua materna é Libras. Ela narrará histórias para crianças surdas, ao mesmo tempo em que outro monitor bilíngue repassará a história em Português. O título adaptado da história a ser contada no mês de Novembro será “O Mito das Princesas”, com histórias de princesas negras e da mitologia africana.

Crianças a partir de 7 anos poderão criar as tradicionais bonecas Abayomi (“meu presente”, em Yorubá). Abayomis são bonecas de retalhos de pano feitas sem cola ou costura, para uso de meninos e meninas, sempre de cor preta, sem demarcações de olho, boca e nariz de maneira a identificar as várias etnias africanas. Nessa oficina, que terá várias sessões ao longo do mês, as crianças aprenderão a confeccioná-las e também refletirão a respeito da História afro-brasileira.

Direcionado a professores e educadores, o curso Afro-latinidades: expressões artísticas de resistência nas Américas, ministrado pela mestranda em História das Artes, Luciara dos Santos Ribeiro, falará de nomes de artistas negros ou afrodescendentes da história latina americana, bem como da diáspora africana nas Américas e as inúmeras manifestações artístico-culturais trazidas pelos negros para o continente.

Exemplo de um dos “balangandãs têxteis”, referência do produto final plástico que espera-se produzir nas oficinas.

Já na oficina Balangandãs Têxteis, o público idoso conhecerá as joias de crioulas, peças de ouro e prata usadas por escravas e alforriadas nos séculos XVIII e XIX, na Bahia, como símbolo de prestigio social e poder.
Mesclando teoria e prática, os participantes aprenderão a técnica de elaboração de um colar ou pulseira têxtil e elaborarão o seu próprio balangandã.

Aberto ao público em geral, a partir de 16 anos, o curso Introdução a Arte Afro Brasileira: passado, presente e futuro pretende introduzir os participantes no rico universo da produção cultural negra no Brasil que não obstante sua grande importância, enfrenta ainda o desconhecimento de seus autores e suas realizações pelo grande público. Quem ministrará o curso será Claudinei Roberto da Silva, artista plástico, curador independente e professor de educação artística licenciado pelo Departamento de Arte da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo.

Quem circula com frequência pelo centro de São Paulo já deve ter notado a beleza, a diversidade e a potencialidade da estamparia africana, trazida pelos imigrantes africanos recentemente. Na oficina de Estêncil e estamparia artesanal, as costureiras, artesãs e arte-educadoras Gabriele Gomes de Sousa e Maíra Siena Tomazelli apresentarão a técnica do estêncil aos adolescentes participantes e os ensinarão a moldar cortes com referências de grafismo africano.

 

A Vivência e Construção Artesanal de Instrumentos Musicais tem como proposta resgatar, incentivar e valorizar as práticas artesanais entre crianças e adolescentes. Ao fim do evento, tendo aprendido técnicas de preparação, montagem, afinação e acabamento, eles construirão dois instrumentos musicais originários das matrizes culturais indígena e africana (maracá de cabaça e reco-reco de bambu).

Voltada a pessoas com deficiência intelectual e auditiva, a oficina Máscaras Africanas: reinvenções estéticas pretende trazer ao público especial o reconhecimento da diversidade visual das máscaras africanas, e a confecção de novas máscaras a partir do estêncil e pintura com grafismos. A atividade está a cargo de Fátima Miranda, arte-educadora formada em Artes Plásticas e Educação Artística pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo.

A ação educativa Libras de Arruar visa também integrar os deficientes auditivos e a população em geral. Nessa atividade, os transeuntes que passarem em frente da CAIXA Cultural, na Praça da Sé, serão convidados por educadores (em Libras-Português) a participar de rápidas experiências em Libras e a conhecer mais sobre a CAIXA Cultural e o contexto histórico do centro paulistano.

Artes Visuais

(RE)CONHECENDO A AMAZÔNIA NEGRA – POVOS, COSTUMES E INFLUÊNCIAS NEGRAS NA FLORESTA
De 7 de outubro a 17 de dezembro de 2017 (terça a domingo), das 9h às 19h – Classificação: livre

A exposição de fotografias promove a memória da população negra amazônica e o reconhecimento de seu legado para a região norte. Além da mostra, será realizado um debate com a presença da fotógrafa e curadora Marcela Bonfim, no dia 11 de novembro às 11h, com entrada franca.

 

 

EXPOSIÇÃO NEGROS INDÍCIOS
De 7 de outubro a 17 de dezembro de 2017 (terça a domingo), das 9h às 19h – Classificação: livre

Exposição de fotografias, vídeos e performances de artistas afrodescendentes de diferentes regiões do país, refletindo questões afro-brasileiras. Obras de Antônio Obá (DF), Caetano Dias (BA) José Manuel Feliciano (PE) e outros, com curadoria de Roberto Conduru. Ciclo de performances nos dias 18 e 19 de novembro às 15h, com entrada franca.

SERVIÇOS DOS EVENTOS DO PROGRAMA CAIXA GENTE ARTEIRA (em Ordem cronológica crescente):

Ação Educativa: Contação de Histórias em Libras-Português
Mediadoras: Ana Maria Viana e Priscila Pereira de Souza
Datas: Dias 1°, 22 e 29/11
Horário: 14h30
Duração: Uma hora e trinta minutos
Público: Escolas e público espontâneo (a partir de 07 anos) agendamento para grupos por telefone.
Capacidade: 30 pessoas

Oficina: Bonecas Abayomis
Oficineiro: Amanda Correia
Data: Dias 07,08,09,14 e 16/11
Horário: 9h30 e 14h30
Duração Total: Duas horas
Público: Crianças a partir de 07 anos
Inscrições: Agendamento para grupos escolares pelo telefone
Capacidade: 40 pessoas

Oficina: Afro-latinidades: expressões artísticas de resistência nas Américas
Oficineira: Luciara dos Santos Ribeiro
Data: 11/11 – sábado
Horário: das 9h às 13h
Duração Total: 4 horas
Público: professores e educadores
Inscrições: inscrições individuais por telefone
Capacidade: 30 pessoas

Oficina: Balangandãs Têxteis
Oficineiro(a): Mary Lúcia da Silva Ferreira Lima
Data: dia 18/11 – sábado
Horário: das 9h30 às 13h30
Duração Total: 4 horas
Público: idosos
Inscrições: agendamento para grupos ou individual por telefone
Capacidade: 20 participantes

Oficina: Introdução a Arte Afro Brasileira: passado, presente e futuro
Oficineiro (a): Claudinei Roberto da Silva
Datas: dias 18 e 25/11
Horário: das 15h às 19h
Duração Total: 8 horas (4 horas cada dia)
Público: interessados em geral, a partir de 16 anos
Inscrições: individuais por telefone
Capacidade: 30 pessoas

Oficina: Oficina de Estêncil e estamparia artesanal
Oficineiras: Gabriela Gomes de Sousa e Maíra Siena Tomazelli
Datas: dias 21, 23, 28, 29 e 30/11
Horário: às 9h30 e às 14h30
Duração Total: 2h
Público: adolescentes.
Inscrições: agendamento para grupos por telefone
Capacidade: 25 participantes cada turma

Oficina: Vivência e Construção Artesanal de Instrumentos Musicais
Oficineiros: Luiza Barros Snege e Renan Marucci Rodrigues
Data: dia 22/11 – quarta-feira
Horários: às 9h e 14h30
Duração Total: 4 horas
Público: crianças (a partir de 5 anos) e adolescentes
Inscrições: agendamento de grupos por telefone
Capacidade: 20 pessoas cada turma

Ação Educativa: Libras de arruar
Mediadoras: Priscila Pereira de Souza
Data: 23/11 – quinta-feira
Horários: 14h30
Duração: Uma hora
Público: Interessados em geral (a partir de 07 anos)
Inscrições: Não há necessidade de inscrição prévia
Capacidade: Livre

Oficina: Máscaras Africanas: reinvenções estéticas
Oficineiro(a): Fátima Miranda
Data: dia 25/11 – sábado
Horário: às 9h30 e 14h30
Duração Total: 2h
Público: pessoas com deficiência intelectual e pessoas com deficiência auditiva
Inscrições: agendamento para grupos por telefone
Capacidade: 20 participantes cada turma

PROGRAMA EDUCATIVO CAIXA GENTE ARTEIRA
Local: CAIXA Cultural São Paulo – Praça da Sé, 111 – Centro – São Paulo/SP.
Informações, agendamento de visitas monitoradas para escolas públicas e instituições: (11) 3321-4400