Alimentação

“Mercadão”,uma história de Revolução e arte

Quem passa pelo Mercado Municipal Paulistano, localizado no Parque D.Pedro II, no centro da cidade, não imagina que por trás de tanta fartura e beleza, há recordações e histórias que permitiram transformar um galpão de armas em um rico mercado gastronômico e cultural. Uma referência internacional.
Em 1926, o prefeito da capital encomendou um projeto de um mercado para o escritório do engenheiro Francisco de Paula Ramos de Azevedo, o mesmo que projetou o Fórum, O Palácio das Industrias e o Teatro Municipal de São Paulo. Este projeto iria substituir um conjunto de galpões da rua 25 de março.
Para construir este projeto de 12.600 m2, Ramos elaborou o mercado em estilo neoclássico e requintado, apresentando grandes vitrais e telhas de vidro proporcionando uma iluminação natural .A intenção de Ramos era tornar a atividade da compra um passeio cultural .

Para isso contou com o vitralista russo Conrado Sorgenicht Filho para fazer os 72 vitrais em vidro acrílico, dividido em 32 painéis baseados nos produtos agrícolas e pecuários do interior paulista que abasteceriam o mercado, já que na época, eram elas a base das riquezas econômicas do Estado de São Paulo.
Em 1932 estava pronto o mercado. Mas a Revolução constitucionalista estourou naquele ano, transformando o mercado em uma base de abastecimento das tropas constitucionalista tornando um paiol de armas e munições, onde soldados usavam os painéis como treinamento de alvo. Devido ao estrago feitos pelos soldados foram preciso dois meses para recompor as peças para inauguração oficial que aconteceu no dia 25 de janeiro de 1933.

No inicio houve problema no mercado pois os comerciantes não queriam se transferir para aquele local, já que há um ano antes havia sido paiol de munições da Revolução de 32.
Aos poucos os antigos mercados locais e comerciantes , se transferiram para este “mercadão” já que a prefeitura decidiu ceder de graças os boxes.
Hoje é o mercado o mais tradicional contendo uma grande variedade de alimentos nacionais e importados além de ser um patrimônio histórico em que é possível encontrar cultura, arte, tradição e lazer.