São Miguel Paulista

São Paulo conta com 31 praças e parques com internet Wi-fi livre

Prefeito Fernando Haddad inaugurou nesta terça-feira (19) o sinal de internet gratuito do programa WiFi Livre SP na praça Padre Aleixo Monteiro Mafra (Praça do Forró), em São Miguel Paulista, na zona leste

VISITA A REGIÃO DE SÃO MIGUEL PAULISTA- Crédito: Fábio Arantes / Secom
VISITA A REGIÃO DE SÃO MIGUEL PAULISTA- Crédito: Fábio Arantes / Secom

O prefeito Fernando Haddad inaugurou nesta terça-feira (19) o 31º espaço público da cidade beneficiado com sinal de internet gratuita pelo programa WiFi Livre SP. O ponto da praça Padre Aleixo Monteiro Mafra, conhecida como Praça do Forró, em São Miguel Paulista, na zona leste, funciona 24 horas e comporta a conexão simultânea de até 150 pessoas.

Com a implantação, a zona leste conta com quatro pontos com o WiFi Livre SP em operação, atingindo também as praças Dilva Gomes Martins, das Professoras e o Parque Linear Tiquatira. Em toda a cidade, além dos locais que estão em operação, outras 24 praças estão com o serviço na etapa de implantação e outros pontos em 65 espaços públicos em fase de projetos. O Programa de Metas 2013-2016 prevê a instalação de internet livre em 120 praças e parques da capital paulista.

“As pessoas que têm celular com crédito, depois que acaba o crédito, não podem usar mais ou têm de pagar um adicional. Em geral, isso acaba rápido, sobretudo para a juventude, que usa muito. Agora é só vir para a praça Padre Aleixo e usar à vontade. Pode conversar com o namorado ou fazer o dever de casa. O serviço estará disponível 24 horas por dia”, afirmou o prefeito.

Além dos quatro pontos na zona leste, cinco espaços públicos do Centro, nove da zona norte, sete na zona oeste e seis na zona sul também contam com sinal de internet gratuito em operação. Esses espaços públicos têm capacidade para quase 3.600 conexões simultâneas. Para o prefeito, o programa WiFi Livre SP se soma a outras medidas como ciclovias, corredores de ônibus e parklets para ocupar a cidade, aumentar as opções de lazer e a segurança dos paulistanos. “Isso tudo tem o objetivo de fazer com que as pessoas comecem a participar mais da vida da cidade. Com isso, elas vão cuidar mais da cidade, vão tornar ela mais segura e por fim, vão recuperar a confiança de deixar suas casas e se apropriarem dos equipamentos públicos”, disse Haddad.

Programas semelhantes ao WiFi Livre SP funcionam em cidades como Barcelona e Berlim. “Queríamos implementar aqui [em São Paulo] também. Pensamos inicialmente em seis locais. Depois, o projeto avançou para pelo menos uma por subprefeitura. Então, o prefeito disse que queria esses serviços também na periferia e determinou que que tivéssemos pelo menos uma praça por distrito. É internet grátis para toda a população. Esta já é 31ª praça em funcionamento. Nós vamos entregar o mais breve possível 120 praças”, disse o secretário municipal de Serviços, Simão Pedro.

Conexão
Para acessar a internet gratuita em uma das praças com o sistema em operação, o usuário deve conectar-se em seu smartphone, tablet ou notebook na rede Wi-Fi Livre SP e efetuar a autenticação por meio do navegador de internet. A conexão chega à praça por fibra ótica e tem velocidade de 512 Kbps efetivos por usuário para download e upload.

Veja as praças com WiFi Livre SP em operação

Segurança e qualidade
O contrato firmado pela Prefeitura prevê controle de qualidade, estabilidade de conexão e garantia de banda Todos os dados que circularem na rede serão protegidos por confidencialidade e não haverá qualquer restrição no conteúdo acessado. O prestador de serviço não está autorizado a filtrar o tráfego por IP de origem ou de destino, por aplicação ou por conteúdo, exceto para cumprir legislação em vigor. As redes possuem um sistema de gestão que permite detectar e evitar possíveis incidentes e cumprir determinações legais e judiciais.

Investimentos
Em outubro de 2013, as empresas ZIVA e WCS foram habilitadas, através de concorrência, para prestarem serviços de acesso à internet por sistema Wi Fi nas 120 praças. Para atender toda a cidade, foi preciso dividi-la em 4 lotes, sendo que a WCS está responsável pelos Lotes 1 e 2 – Zonas Leste e Centro (e uma praça da Zona Sul, no Pq. da Independência) e a ZIVA Lotes 3 e 4 – Zonas Norte, Oeste e Sul. As propostas vencedoras totalizaram o investimento de aproximadamente R$ 27,5 milhões, por três anos de contrato. A empresa WCS venceu os lotes I e II, com propostas de R$ 4,5 milhões e R$ 7,8 milhões, respectivamente. A Ziva arrematou os lotes III e IV, com lances de R$ 4,9 milhões e R$ 10,2 milhões.